Publicidade

Publicidade

Arquivo de junho, 2008

30/06/2008 - 16:43

HISTÓRIA OLÍMPICA 95

Compartilhe: Twitter

A delegação brasileira com 84 homens e 5 mulheres nos Jogos Oímpicos de Munique, em 1972, conquistou duas medalhas de bronze e terminou em 41º lugar no quadro geral. Nelson Prudêncio foi o terceiro colocado no salto triplo e Chiaki Ishii subiu ao pódio na categoria meio pesado do judô, a primeira de várias medalhas que o Brasil conquistaria na modalidade na história olímpica. Além dos bronzes, o Brasil teve ainda bons resultados na natação nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972. A equipe formada por José Roberto Diniz Aranha, Paulo Becskehazy, Paulo Zanetti e Ruy Tadeu de Oliveira terminou em quarto lugar as provas de revezamento 4×100 e 4×400 metros nado livre.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
27/06/2008 - 12:46

HISTÓRIA OLÍMPICA 94

Compartilhe: Twitter

Depois de ótimo desempenho nos Jogos Pan-americanos de 1967, com cinco medalhas de ouro, o nadador americano Mark Spitz chegou como favorito e decepcionou nos Jogos Olímpicos da Cidade do México, no ano seguinte, com apenas dois ouros em revezamentos. Quatro anos mais tarde, em 72, Spitz colocou o nome na história com desempenho espetacular nos Jogos Olímpicos de Munique. Foram sete medalhas de ouro e sete recordes mundiais: 100 e 200 metros borboleta e livre e revezamentos 4×100 e 4×200 metros livre, além do revezamento 4×100 metros medley.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/06/2008 - 19:04

HISTÓRIA OLÍMPICA 93

Compartilhe: Twitter

Durante 11 dias, os organizadores dos Jogos Olímpicos de 1972 conseguiram fazer em Munique a melhor edição já vista na era moderna. Na manhã do dia 5 de setembro, oito terroristas árabes do movimento Setembro Negro invadiram a Vila Olímpica e fizeram reféns 11 membros da delegação de Israel. Numa operação frustrada de resgate, a polícia alemã matou os terroristas, mas os israelenses já haviam sido assassinados. As competições foram suspensas por 34 horas e até o fim dos Jogos todas as bandeiras foram hasteadas a meio-mastro.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/06/2008 - 01:43

MUITO DIFÍCIL

Compartilhe: Twitter

Não me atrevo a apostar no Fluminense como campeão da Libertadores depois do jogo de Quito. O tricolor teve poucas chances e precisou contar com boa atuação do goleiro Fernando Henrique para perder por 4×2. Renato Gaúcho tentou motivar os jogadores com as famosas frases de efeito. “Quem tem que ficar desesperado é o outro time, que vai enfrentar o Fluminense no Maracanã. Alguma coisa lá de cima me diz que vamos ser campeões.”

E completou dizendo que a LDU perdeu a grande chance de abrir vantagem maior no 1º tempo e garantir o título. É verdade que o time equatoriano joga muito mais em casa, com apoio da torcida e na altitude. Mas a vantagem construída no estádio Casa Blanca deixou o Flu longe da taça. A equipe vai precisar de uma virada histórica.

Se por um lado o regulamento não valoriza os dois gols marcados como visitante como critério de desempate, por outro Renato Gaúcho pode mandar o time para cima da LDU no Maracanã sem se preocupar em demasia com o impacto de um gol sofrido.

O Flu parece ter perdido a eletricidade que levou o time a superar os gigantes São Paulo e Boca Juniors. O êxtase com a classificação para a final e as três semanas até a decisão parecem ter esfriado o tricolor, que precisa acender de novo, com os gritos da torcida, muita reflexão e trabalho, para tentar a vitória no Rio.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
25/06/2008 - 18:46

HISTÓRIA OLÍMPICA 92

Compartilhe: Twitter

As cidades de Detroit, nos EUA, Madrid, na Espanha, e Montreal, no Canadá, não fizeram frente ao projeto da Alemanha Ocidental que levou os Jogos Olímpicos de 1972 para Munique. Com 23 esportes e 195 eventos, a edição foi a maior realizada até então, com mais de 7134 atletas de 121 países, sendo mais de mil mulheres. Os Jogos de Munique marcaram a estréia do handebol e o retorno do tiro com arco depois de 52 anos. Pela primeira vez, os atletas fizeram o juramento na cerimônia de abertura.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
24/06/2008 - 17:29

HISTÓRIA OLÍMPICA 91

Compartilhe: Twitter

A delegação brasileira com 84 atletas tinha apenas três mulheres nos Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968. Além da prata de Nelson Prudêncio no salto triplo, o país ganhou ainda duas medalhas de bronze. A dupla Reinaldo Conrad e Burkhard Cordes ficou em terceiro lugar na classe flying dutchman e iniciou série de êxitos da vela brasileira em olimpíadas. No boxe, Servílio de Oliveira ganhou a única medalha do país na história dos Jogos ao subir no pódio no peso mosca. O Brasil ainda teve bons resultados com a seleção masculina de basquete, que terminou em quarto lugar, e na natação com José Sylvio Fiolo, que era recordista mundial dos 100 metros nado peito, terminou na quarta posição e ficou a apenas um décimo de segundo de uma medalha olímpica.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
23/06/2008 - 19:20

HISTÓRIA OLÍMPICA 90

Compartilhe: Twitter

Depois do bicampeonato olímpico de Adhemar Ferreira da Silva em 52 e 56, Nelson Prudêncio voltou a colocar o Brasil em destaque no salto triplo nos Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968. Prudêncio foi recordista mundial por alguns minutos, com a marca de 17m27, mas ficou com a prata ao ser superado pelo soviético Viktor Saneyev.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
22/06/2008 - 20:48

DIVERSÃO

Compartilhe: Twitter


Artilheiro Villa voa: Espanha está nas semifinais

Para quem gosta de futebol, acompanhar torneios como a Eurocopa é uma diversão. Tenho amigos que até tiram férias para curtir o Euro como fazem em uma Copa do Mundo. O torneio deste ano está delicioso, com tudo o que se pode pedir em termos de técnica, tática, raça e emoção. Emoção, aliás, refletida nos números: 10% dos gols saíram nos acréscimos do segundo tempo.

Até agora, confesso ter ficado decepcionado com o atacante português Cristiano Ronaldo, com o goleiro checo Cech e com o técnico italiano Roberto Donadoni. Estão ou foram muito bem o goleiro holandês Van der Sar, o atacante espanhol Villa, o meia alemão Ballack e o técnico holandês Gus Hiddink, da Rússia.

Nas semifinais, ficaram um gigante, dois grandes e um médio. A gigante Alemanha é muito favorita contra a desfalcadíssima Turquia. Do outro lado, dá para esperar muito equilíbrio entre a boa Espanha e a surpreendente Rússia. Aposto em final entre Alemanha e Rússia e título para os russos.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
22/06/2008 - 19:34

HISTÓRIA OLÍMPICA 89

Compartilhe: Twitter

Dick Fosbury era um desconhecido quando chegou para a disputa do salto em altura dos Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968. O americano não só ganhou o ouro na prova, mas também revolucionou o salto com a criação do movimento Fosbury, com corrida em curva e passagem pelo sarrafo de costas usado até hoje pelos principais nomes da modalidade.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
21/06/2008 - 15:55

HISTÓRIA OLÍMPICA 88

Compartilhe: Twitter

As delegações alemãs competiram separadamente nos Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968. Os atletas da República Democrática da Alemanha estiveram representados pelo nome de Alemanha Oriental, sob governo comunista aliado da União Soviética. O controle de dopagem foi introduzido no México, com testes para evitar o uso de narcóticos e estimulantes. A velocista mexicana Enriqueta Basílio tornou-se a primeira mulher a acender a pira olímpica na história dos jogos.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo