Publicidade

Publicidade
20/11/2009 - 17:33

HISTÓRIAS DAS COPAS 162

Compartilhe: Twitter

As Alemanhas Ocidental e Oriental se classificaram no grupo 1 da Copa de 74, com os orientais em primeiro lugar. Na chave 2 da primeira fase, o Brasil avançou, mas ficou atrás da Iugoslávia. A Holanda dominou o grupo 3, que teve ainda a Suécia classificada entre os oito melhores. E, finalmente, no grupo 4, a Itália, vice-campeã em 70, foi eliminada pela Polônia, que ganhou a chave, e pela Argentina, que avançou por ter um gols a mais de saldo do que os italianos.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , ,
19/11/2009 - 17:31

HISTÓRIAS DAS COPAS 161

Compartilhe: Twitter

Diante da torcida, a Alemanha Ocidental teve um início ruim na Copa do Mundo de 74, apesar de vitórias sobre o Chile por 1×0 e a Austrália por 3×0. Já classificada para a 2ª fase no grupo 1, a equipe perdeu para a Alemanha Oriental por 1×0, em Hamburgo, no que teria sido uma derrota proposital para que os alemães ocidentais evitassem o confronto contra a Holanda, que era a grande sensação da primeira fase, antes da decisão.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , ,
18/11/2009 - 18:32

HISTÓRIAS DAS COPAS 160

Compartilhe: Twitter

A Copa do Mundo de 74 marcou uma mudança no formato de disputa da competição. O torneio, organizado na Alemanha Ocidental, teria as mesmas 16 seleções das edições anteriores e a mesma divisão de quatro grupos com quatro equipes. Já na fase final, os confrontos eliminatórios foram substituídos por duas novas chaves, que indicariam as finalistas e os times que disputariam o terceiro lugar. Com o novo sistema de disputa, a Escócia terminou o Mundial com a única equipe que não perdeu: com uma vitória e dois empates, a equipe foi eliminada por um gol de diferença no saldo em relação ao Brasil.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , ,
17/11/2009 - 14:24

QUASE NADA…

Compartilhe: Twitter

Michel Bastos na lateral-esquerda, Thiago Silva na zaga, Hulk no ataque…

Foi uma pena, mas os amistosos contra Inglaterra e Omã quase não serviram para avaliação de jogadores que podem entrar na lista de convocados para a Copa do Mundo.

Essa era a ideia do técnico Dunga. Mas a fragilidade dos adversários, em função dos desfalques ingleses e de Omã ser só Omã, fizeram com que os jogos fossem apenas mornos.

O interessante foi ver que o Brasil de Dunga leva todo jogo a sério e mantém um aproveitamento incrível.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Seleção Tags: , , , , , ,
17/11/2009 - 13:13

HISTÓRIAS DAS COPAS 159

Compartilhe: Twitter

Com a conquista definitiva da taça Jules Rimet por causa do tricampeonato do Brasil no México, em 70, a Fifa preparou um novo troféu para entregar aos campeões a partir da Copa de 74, na Alemanha Ocidental. O escultor italiano Silvio Gazzaniga foi o responsável pelo projeto que criou uma estátua de 36 cm e quase 5 kg de ouro maciço que representa esforço, harmonia, paz e dinamismo. Nela, uma figura humana torcida em espiral carrega o globo terrestre. Para ficar com a taça para sempre, uma seleção precisa conquistar o mundial três vezes seguidas ou cinco vezes, ainda que não obtenha títulos seguidos.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , ,
16/11/2009 - 19:21

HISTÓRIAS DAS COPAS 158

Compartilhe: Twitter

Com o país dividido pela Guerra Fria entre o lado capitalista que apoiava os EUA e os comunistas que estavam ao lado da União Soviética, a Alemanha recebem a Copa do Mundo apenas na parte Ocidental. Nove cidades foram escolhidas para receber os jogos: Berlim Ocidental, Hamburgo, Frankfurt, Dortmund, Gelsenkirchen, Dusseldorf, Hannover, Sttutgart e Munique, que foi palco da decisão. Aliás, foi a primeira vez na história que a final não disputada na capital do país, que era a pequena Bonn, na Alemanha Ocidental.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
15/11/2009 - 23:00

STJD NÃO APITA!

Compartilhe: Twitter

O árbitro Leandro Vuaden pode até ter errado ao não expulsar Hugo e André Dias, do São Paulo, que tiveram forte desentendimento em campo durante o jogo contra o Vitória, no último sábado.

O que não pode é o Superior Tribunal de Justiça Desportiva achar que tem direito de rever as decisões da arbitragem pelas imagens. Se a CBF achar que Vuaden errou ao dar só o amarelo aos são-paulinos, o árbitro tem que ser punido.

O replay deve servir para o STJD punir atletas em lances que não tenham sido vistos durante os jogos. Mudar o que foi definido em campo é um absurdo.

Autor: - Categoria(s): Brasileirão Tags: , , , , , , , , , ,
15/11/2009 - 17:18

HISTÓRIAS DAS COPAS 157

Compartilhe: Twitter

Antes de encantar o mundo e se tornar a sensação da Copa do Mundo de 74, a Holanda sofreu para se classificar na Europa. A disputa foi justamente contra a vizinha e rival Bélgica. As duas seleções terminaram com a mesma pontuação e os holandeses precisaram de um jogo-desempate para garantir a vaga. As surpresas das eliminatórias foram o Haiti, que deixou o México para trás, o Zaire, que superou maratona de quase 50 jogos na África para jogar o Mundial, e a Austrália, que debutou em copas depois de eliminar a Coreia do Sul na repescagem Ásia/Oceania.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
14/11/2009 - 15:16

HISTÓRIAS DAS COPAS 156

Compartilhe: Twitter

As eliminatórias para a Copa de 74 tiveram números impressionantes com 99 seleções participantes e mais de 200 jogos classificatórios. Alguns gigantes europeus ficaram fora do Mundial. A Inglaterra parou nas mãos do goleiro Tomaszweski, que segurou o empate em Wembley e garantiu a vaga para a Polônia. A União Soviética se recusou a viajar para Santiago por razões políticas e deu a classificação direta para o Chile.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , ,
13/11/2009 - 16:13

HISTÓRIAS DAS COPAS 155

Compartilhe: Twitter

Mais de 100 mil pessoas lotaram o estádio Azteca, na Cidade do México, para a definição de quem ficaria em definitivo com a taça Jules Rimet. A final entre os bicampeões Brasil e Itália faria o mundo conhecer o primeiro tri da história das Copas. Pelé abriu o placar para a seleção brasileira, mas Boninsegna empatou para os italianos ainda no primeiro tempo. Superior fisicamente, o Brasil ampliou o placar no segundo tempo e venceu por 4×1, com gols de Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto, num golaço depois de linha de passe do Brasil. O título consagrou Pelé, o único jogador com três títulos mundiais, e Jairzinho, artilheiro do Brasil com gols marcados em todas as partidas do torneio.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo