Publicidade

Publicidade

24/11/2009 - 15:12

OS MELHORES DO BRASILEIRÃO

Compartilhe: Twitter

Ainda restam duas rodadas, que de tão importantes, podem valer muitos pontos a favor ou contra os atletas de acordo com o desempenho, mas já dá para ter uma boa ideia dos destaques do Brasileirão.

No embalo da divulgação dos indicados ao Prêmio Craque Brasileirão pela CBF, registro aqui a minha opinião sobre os protagonistas da competição.

No gol, nem Bruno (Flamengo), nem Marcos (Palmeiras), nem Victor (Grêmio). Para mim, o melhor foi Fábio, do Cruzeiro.

Nas laterais, escolho os indicados Léo Moura (Flamengo) e Júlio César (Goiás) e estranho a presença do palmeirense Armero do lado esquerdo.

A dupla de zaga mais segura é mesmo André Dias e Miranda, do São Paulo, mas Danilo (Palmeiras) e Réver (Grêmio) também foram bem.

A lesão fez Pierre (Palmeiras) perder espaço para Sandro (Inter) e Willians (Flamengo). Cleiton Xavier (Palmeiras) e Petkovic (Flamengo) completam o meio.

No ataque, Fred (Fluminense) e Adriano (Flamengo) foram os melhores e Diego Tardelli (Atlético-MG) foi outro que teve um grande ano.

Gostei muito da indicação de Paulo Silas, do Avaí, com um dos principais treinadores, mas o número 1 na função foi Andrade, que comandou a arrancada do Flamengo para a disputa do título.

Para completar, a arbitragem: Heber Roberto Lopes viveu a melhor temporada da carreira e foi o grande nome do apito no Brasileirão.

E o craque da competição? Prefiro esperar pelas rodadas finais para saber quem vai decidir. Basta lembrar que eleições antes da decisão deixaram Zidane sem o prêmio de melhor da Copa de 98, assim como Ronaldo em 2002.

Autor: - Categoria(s): Brasileirão Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
15/11/2009 - 23:00

STJD NÃO APITA!

Compartilhe: Twitter

O árbitro Leandro Vuaden pode até ter errado ao não expulsar Hugo e André Dias, do São Paulo, que tiveram forte desentendimento em campo durante o jogo contra o Vitória, no último sábado.

O que não pode é o Superior Tribunal de Justiça Desportiva achar que tem direito de rever as decisões da arbitragem pelas imagens. Se a CBF achar que Vuaden errou ao dar só o amarelo aos são-paulinos, o árbitro tem que ser punido.

O replay deve servir para o STJD punir atletas em lances que não tenham sido vistos durante os jogos. Mudar o que foi definido em campo é um absurdo.

Autor: - Categoria(s): Brasileirão Tags: , , , , , , , , , ,
16/02/2009 - 02:29

O ÁRBITRO E AS IMAGENS

Compartilhe: Twitter

Sem entrar no mérito dos lances do clássico São Paulo 1×1 Corinthians, quero me ater à jogada que culminou com a expulsão do volante corintiano Túlio, ainda no primeiro tempo. A reclamação veemente do técnico Mano Menezes se deu, principalmente, pelo fato de, segundo ele, o árbitro José Henrique de Carvalho ter sido auxiliado por imagens para aplicar o cartão vermelho.

De acordo com os protestos, o assistente Ednilson Corona não teria levantado a bandeira no momento da confusão e a informação do soco de Túlio em André Dias teria sido passada pelo ponto eletrônico, o que vai contra a ideia de que as decisões dentro de campo devem ser frutos de observação e interpretação da arbitragem.

Por muitos anos, aceitei o discurso da isonomia como argumento para deixar a tecnologia fora do trabalho de aplicação das regras durante uma partida de futebol. Ou seja, não se pode permitir que as imagens sejam recurso para a arbitragem a não ser que todos os campeonatos de futebol tenham condições de contar com estrutura necessária para tal.

Acontece que os árbitros dos principais campeonatos do planeta vivem bombardeados por imagens que, frequentemente, comprovam erros, muitas vezes grosseiros. Por que não criar mecanismos, como os do tênis ou do futebol americano, para que os vídeos sejam usados dentro de campo? Algo como dois pedidos de revisão de lance por time a cada tempo.

Nem todas as quadras de tênis têm computadores para checar as linhas e nem todos os jogos de futebol americano possuem câmeras por todos os lados para dirimir dúvidas sobre um touchdown. Isonomia é utopia. E as mudanças podem ser benéficas para o calcanhar de Aquiles do futebol, a ainda amadora arbitragem.

Autor: - Categoria(s): Estaduais Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo