Publicidade

Publicidade

18/08/2009 - 18:20

SOBRE O CALENDÁRIO…

Compartilhe: Twitter

Muita gente importante do futebol brasileiro falou a respeito da mudança no calendário nas últimas semanas, quase todos a favor da proposta de adequação à temporada européia. A defesa está quase sempre presa à “cultura brasileira” de ter os campeonatos disputados dentro do mesmo ano, sem partidas durante as festas e o auge do verão. O único dos grandes campeonatos europeus que não para nas festas de fim de ano é o Inglês. É absolutamente normal parar por uns 20 dias para as comemorações.

O argumento mais forte, e que não pode ser desprezado, é o interesse da televisão. Tudo bem, você pode pensar: “a tv que se adapte e mude a programação”. Vale lembrar, no entanto, que as emissoras pagam boa parte da conta do nosso futebol e muitos clubes tiveram verbas antecipadas nos últimos anos, o que os enfraquece na hora da discussão.

A minha impressão é que, apesar de respeitar todas opiniões sobre o assunto, não vejo como a alteração não ser boa no longo prazo. Por um motivo muito simples: o produto (futebol brasileiro) será valorizado. Os clubes ficarão mais fortes com o planejamento prevendo apenas a janela de transferências do inverno europeu, que é pequena se comparada à passagem de uma temporada para outra. Também poderão faturar mais com excursões, por exemplo.

Mesmo com a Sul-americana no segundo semestre e a Libertadores no primeiro, o negócio é mexer logo nas datas e, principalmente, diminuir os estaduais.

 

Autor: - Categoria(s): Brasileirão, Copa do Brasil, Copa Sul-americana, Estaduais, Futebol europeu, Libertadores Tags: , , , , , , , , , ,
12/08/2009 - 15:25

HISTÓRIAS DAS COPAS 62

Compartilhe: Twitter

O dia 16 de julho de 1950 entrou para a história com um dos capítulos mais tristes do futebol brasileiro. Se eram 220 mil torcedores no Maracanã, como alguns cogitaram, ou 174 mil, conforme o registro oficial da Fifa, pouco importa. O fato é que o povo, não só no estádio, confiava no favoritismo do Brasil, que só precisava de um empate contra o Uruguai, e acreditava no primeiro título mundial. A festa esquentou com o gol de Friaça no começo do segundo tempo. A virada uruguaia calou o público e o placar final de 2×1 fez do Uruguai bicampeão do mundo e impôs ao Brasil um trauma que só acabaria oito anos depois.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo