Publicidade

Publicidade

30/08/2009 - 18:41

O MELHOR DO MUNDO EM AGOSTO

Compartilhe: Twitter

Quando pensei em registrar aqui no blog o melhor do mundo em cada mês do ano, não imaginava que alguns períodos pudessem impor tanta dificuldade para a escolha. Com Libertadores definida e uma data-Fifa que teve basicamente amistosos, valeram rodadas intermediárias do Brasileirão e o início de alguns dos principais campeonatos da Europa e da Champions League.

Nesse comecinho de temporada europeia, o Arsenal chamou a atenção, mas não houve um grande destaque individual. Messi iniciou 2009-2010 no Barcelona como terminou as últimas competição: vencendo. Ainda não fez cair o queixo como em meses anteriores, mas segue na liderança do ano.

Me atrevo, portanto, a escolher Diego como o grande destaque do futebol mundial no mês de agosto. O meia chegou à Juventus com grande expectativa e nem precisou apelar para a falta de entrosamento ou ao período de adaptação. Foi jogando bem logo de cara. E como já foi decisivo em um clássico fora de casa e com dois golaços (Roma 1×3 Juventus), Diego começa a reconstruir a sua estrada para disputar a Copa do Mundo do ano que vem, na África do Sul, pela seleção brasileira.

Autor: - Categoria(s): Brasileirão, Copa 2010, Copa Sul-americana, Futebol europeu, Seleção Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
08/07/2009 - 16:49

HISTÓRIAS DAS COPAS 27

Compartilhe: Twitter

A Copa do Mundo de 34, na Itália, teve a primeira disputa de terceiro lugar da história, com vitória da Alemanha sobre a Áustria por 3×2. Depois de passar pelos fortes austríacos, a Itália, dona da casa, encarou na final outro representante da escola do Danúbio, de passes curtos, a Tchecoslováquia, que tinha como destaques o goleiro Planicka e o artilheiro Nejedly, que foi o goleador do mundial com cinco gols. A decisão, em Roma, foi muito disputada: 1×1 no tempo normal e um gol de Schiavio na prorrogação deu o título à seleção italiana.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , ,
05/07/2009 - 17:51

HISTÓRIAS DAS COPAS 24

Compartilhe: Twitter

O palco da final da Copa do Mundo de 1934, na Itália, estava em Roma: o estádio Nacional PNF, sigla que fazia referência ao Partido Nacional Fascista, do ditador Benito Mussolini. Construído em 1927, tinha capacidade para 50 mil torcedores. Os clubes de futebol da capital italiana, Lazio e Roma, Mandaram seus jogos por lá até 1953, quando passaram a usar o estádio Olímpico construído para os Jogos de 60. No local, existe atualmente o estádio Flamínio, casa da seleção nacional de rúgbi.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , ,
29/06/2009 - 21:29

HISTÓRIAS DAS COPAS 18

Compartilhe: Twitter

A Itália foi escolhida para receber a segunda Copa do Mundo da história, em 1934, depois de ter perdido o direito de sediar o Mundial quatro anos para o Uruguai. Ao contrário dos uruguaios, que fizeram jogos apenas na capital Montevidéu, os italianos distribuíram as partidas em oito cidades: Roma, Milão, Florença, Turim, Genova, Bolonha, Nápoles e Trieste. O ditador italiano Benito Mussolini aproveitou a popularidade do futebol para difundir ideias fascistas no torneio.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
27/05/2009 - 18:00

MAUS PERDEDORES

Compartilhe: Twitter

Nos últimos anos, o time do Manchester United mostrou saber ganhar títulos como poucos na história do futebol. Nesta quarta-feira, em Roma, o esquadrão comandado por Alex Ferguson revelou que ainda precisa aprender a perder.

A final da Liga dos Campeões da Europa 2008-2009 colocou o Barcelona no topo do mundo, com destaques para o craque Messi, para os fantásticos Xavi, Iniesta e Eto’o e para o jovem treinador Josep Guardiola, agora gravado na história como o responsável pelo triplete (Liga Espanhola, Copa do Rey e Liga dos Campeões da Europa).

Depois de aperto inicial dos ingleses, o Barça passou a dominar o jogo decisivo com o gol de Eto’o antes dos 10 minutos do primeiro tempo. O controle se deu, muitas vezes, com toques de bola de pé em pé no campo ofensivo.

A postura deixou o Manchester United quase sem ação, mesmo com as entradas de Tevez e Berbatov. Aliás, alguém entende a insistência com Park? Longe do gol, Cristiano Ronaldo resolveu inverter a lógica e começou a fazer jogadas violentas. Foram três para cima do defensor Puyol. Perto do fim da partida, o experiente Paul Scholes deu uma entrada indescritível em Busquets. Uma vergonha o árbitro Massimo Bussaca não aplicar o cartão vermelho.

Um vice-campeão pode ser mais elegante.

Autor: - Categoria(s): Futebol europeu Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo