Publicidade

Publicidade

26/11/2009 - 17:35

HISTÓRIAS DAS COPAS 168

Compartilhe: Twitter

Já com os apelidos de “Laranja Mecânica” e “Carrossel”, a Holanda entrou no grupo 1 da 2ª fase da Copa de 74, que também tinha Brasil, Alemanha Oriental e Argentina. A seleção contou com o talento de Rivellino para vencer os alemães por 1×0 e os argentinos por 2×1. Como os holandeses também venceram as duas partidas, o confronto Brasil x Holanda no estádio Westfallen, em Dortmund, no dia 3 de junho, valeria vaga na decisão do Mundial. Na outra chave, a Alemanha Ocidental superou Suécia e Iugoslávia e foi para a final ao derrotar a Polônia por 1×0, gol de Gerd Mueller.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
25/11/2009 - 18:12

HISTÓRIAS DAS COPAS 167

Compartilhe: Twitter

Depois de treinar Ajax e Barcelona, o técnico holandês Rinus Michels assumiu a seleção do país meses antes da Copa do Mundo de 74, na Alemanha Ocidental. O grupo superou um racha entre jogadores do Feyenoord e do Ajax para mostrar um conjunto inimaginável para uma equipe formada às vésperas do torneio. As ideias de diminuir os espaços do adversário com a linha de impedimento e de comprimir as linhas táticas para permitir trocas de posições e movimentação constante formataram o “futebol total” holandês. A seleção brilhou logo na primeira fase com vitórias sobre o Uruguai por 2×0 e sobre a Bulgária por 4×1, além do empate por 0x0 contra a Suécia.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
20/11/2009 - 17:33

HISTÓRIAS DAS COPAS 162

Compartilhe: Twitter

As Alemanhas Ocidental e Oriental se classificaram no grupo 1 da Copa de 74, com os orientais em primeiro lugar. Na chave 2 da primeira fase, o Brasil avançou, mas ficou atrás da Iugoslávia. A Holanda dominou o grupo 3, que teve ainda a Suécia classificada entre os oito melhores. E, finalmente, no grupo 4, a Itália, vice-campeã em 70, foi eliminada pela Polônia, que ganhou a chave, e pela Argentina, que avançou por ter um gols a mais de saldo do que os italianos.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , ,
21/09/2009 - 15:35

HISTÓRIAS DAS COPAS 102

Compartilhe: Twitter

 Campeão do mundo em 58, o Brasil apostou na base vitoriosa para a Copa de 62, no Chile. Dos 22 convocados, 14 estiveram na Suécia. As oito novidades eram Jair Marinho, Jurandir, Altair, Zequinha, Mengálvio, Jair da Costa, Coutinho e Amarildo, que seria decisivo com a lesão de Pelé. A comissão técnica teve apenas a troca do treinador Vicente Feola por Aymoré Moreira e a substituição do psicólogo João Carvalhaes por Ataíde Ribeiro.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
18/09/2009 - 18:13

HISTÓRIAS DAS COPAS 99

Compartilhe: Twitter

Além da dificuldade de enfrentar a seleção dona da casa, o Brasil ainda viu a Suécia abrir o placar na final da Copa de 58 logo aos 3 minutos de jogo. O lance ficou marcado pelo gesto do meia Didi, que buscou a bola no fundo da rede e a levou para o meio-campo, numa tentativa de estimular o time brasileiro. Bastaram quatro minutos para a seleção empatar com Vavá, que marcou o gol da virada ainda no primeiro tempo. As duas jogadas foram de Garrincha. Com um gol de Zagallo e dois de Pelé, o último no último lance do jogo, o Brasil comemorou o título mundial com vitória por 5×2 na decisão.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , , , , ,
17/09/2009 - 18:10

HISTÓRIAS DAS COPAS 98

Compartilhe: Twitter

A disputa do terceiro lugar da Copa do Mundo de 58, na Suécia, foi um jogo de artilheiros. Na vitória da França sobre a Alemanha por 6×3, o alemão Helmut Rahn marcou um de seus seis gols no Mundial. O nome do jogo foi o francês Just Fontaine, que balançou as redes quatro vezes para chegar à incrível marca de 13 gols em uma só edição do torneio. Os outros goleadores da Copa foram os brasileiros Pelé, com seis gols, e Vavá com cinco, mesma marca do inglês Peter McParland.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , ,
16/09/2009 - 12:27

HISTÓRIAS DAS COPAS 97

Compartilhe: Twitter

O Brasil teve o retorno de Vavá ao time titular na semifinal da Copa de 58 contra a França e ele abriu o placar logo aos 2 minutos de jogo no estádio Rasunda. O artilheiro Fontaine empatou em seguida. Aos 37 minutos do primeiro tempo, Vavá tirou de campo o zagueiro Jonquet com uma dividida, que alguns acusaram de ter sido desleal. Pouco depois, Didi colocou o Brasil na frente e Pelé balançou três vezes as redes adversárias. A vitória por 5×2 colocava o Brasil pela segunda vez na história em uma final de mundial. Na outra semifinal, a Suécia bateu a Alemanha Ocidental por 3×1.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
14/09/2009 - 16:21

HISTÓRIAS DAS COPAS 95

Compartilhe: Twitter

Quatro cidades suecas receberam no mesmo dia e no mesmo horário as quartas de final da Copa do Mundo de 1958. A anfitriã Suécia bateu a União Soviética por 2×0 e se garantiu em uma semifinal contra a Alemanha Ocidental, que eliminou a Iugoslávia ao vencer por 1×0. A França, comandada pelo artilheiro Fontaine, goleou a Irlanda do Norte por 4×0 e entrou no caminho do Brasil, que sofreu para eliminar País de Gales com vitória magra por 1×0.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , ,
13/09/2009 - 12:19

HISTÓRIAS DAS COPAS 94

Compartilhe: Twitter

Com cinco pontos cada, Brasil e União Soviética se classificaram para as quartas de final da Copa de 58 pelo grupo 4. Na chave 1, Alemanha Ocidental e Irlanda do Norte avançaram. França e Iugoslávia ficaram com as vagas no grupo 2. E a Suécia, dona da casa, se garantiu entre as oito melhores seleções do planeta com a primeira posição na chave 3, que teve o País de Gales classificado como o segundo colocado.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas, Sem categoria Tags: , , , , , , , ,
11/09/2009 - 12:14

HISTÓRIAS DAS COPAS 92

Compartilhe: Twitter

 O dia 15 de junho de 1958 marcou a arrancada brasileira rumo ao título mundial na Copa de 58, na Suécia. Mais de 50 mil pessoas presenciaram em Gotemburgo a estreia em mundiais de Pelé, que estava recuperado de contusão. O treinador Vicente Feola fez outras duas apostas no time titular: Zito assumiu a posição de volante no lugar de Dino Sani e Garrincha foi escalado no ataque ao lado de Vavá, mantido na equipe principal. Contra o “jogo científico” da campeã olímpica União Soviética, duas jogadas de Garrincha garantiram gols de Vavá e a vitória por 2×0.

Autor: - Categoria(s): Copa 2010, Histórias das Copas Tags: , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo